Arquivo mensal: março 2014

A Estatística da Morte

Que sentido tem a vida quando se encontra na morte uma razão para viver? Sabermos que atingimos o Ranking do terceiro estado mais violento do mundo dá-nos um desconforto e uma acentuada sensação de culpa por não podermos modificar esta triste realidade, ainda porque, nós, genuinamente alagoanos, somos discriminados e julgados pela sociedade que acompanha na mídia o funesto desenrolar da violência no Estado de Alagoas.

Será que todo aquele que mata, o faz por ódio? Certamente que não! E os que são pagos para matar, qual o verdadeiro perfil dessas almas peçonhentas que se aglomeram tal qual um covil prontas para derramarem o sangue da desventura, sem saber que no valor cobrado haverá o retorno na exata medida das ações a serem pagas no Tribunal da Existência? – Zíbia Gasparetto em uma de suas famosas frases assim se pronunciou: “A Justiça de Deus é tão divina que ensina a cada um de acordo com os seus atos”.

Trago sempre na mente um atroz questionamento: Por quem procuram os personagens dos violentos jogos de vídeo game, quando, em tresloucada corrida portando armas de grosso calibre, matam desordenadamente, transeuntes, motoristas, policiais, arrancam pessoas de dentro dos carros e deixam à mostra todo o sangue derramado, nele pisando como se fora poças d’água que se evaporam com o tempo?

A mocidade que deveria cumprir o ciclo da vida está se acabando sem entender por que. O brinquedo preferido da juventude é a arma que simulam carregar nos jogos de vídeo games e nos jogos on line, onde freneticamente partem contra os seus semelhantes, exterminando-lhes a vida com espantosa naturalidade.

A morte como lazer, inspira a desvalorização da vida com a mesma magnitude das fábulas infantis que exibem personagens alados incutindo na cabeça da criança a doce e perigosa magia de voar.

Não pretendo neste artigo rebelar-me contra o prazer que mistifica a formação moral e espiritual dos indivíduos ainda despreparados para a vida, porém, nada impede que os pais ou responsáveis pelos seus filhos ou por quem esteja sob os seus cuidados, passem a observar e analisar o artefato bélico que a mocidade tão bem maneja, para que o tiro fatalmente não se disponha a sair pela culatra.

As inúmeras razões que explicam, mas não justificam o emprego da violência, estas, nem sempre são criadas dentro dos próprios lares; Há a incidência do desconhecimento cultural, do desamor e do desrespeito, da revoltante e inacabada pobreza, do desemprego que por vezes gera a humilhação, das inúmeras formas de preconceito, das desigualdades sociais, da não formação cristã, do vício das drogas, da desordem governamental, dos conflitos familiares e da inexistência de uma política de prevenção ao crime.

Tudo isto tem feito do ser humano, prisioneiro de si mesmo, pois a liberdade a que temos direito está confinada nas grades que envolvem os nossos lares e estabelecimentos comerciais, tentativa desesperadora de buscar a efêmera felicidade em nome da paz e da tranquilidade.

Há um longo caminho para uma possível mudança, acreditarmos que um dia teremos direito à liberdade de ir e vir sem medo, pode ser uma utopia, porém se deixarmos de ser meros espectadores daremos o primeiro passo para uma estatística condigna no Ranking da vida.

Liana Franca

Delegada de Polícia Civil

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , , , ,

Quando um amigo se vai…

As duas faces da Existência, nos dão a vida e nos leva à morte. Por mais que saibamos que a morte é a razão final de tudo, a dor que nos consome a alma quando perdemos um ente querido, é indescritível e inenarrável.

Não há palavras que preencham a dor quando chegamos à certeza da história que nos conduz ao último capítulo. O corpo inerte que um dia teve luz, viço, força, vida, nada mais é do que uma matéria morta que pouco a pouco, em nada irá se transformar tal qual uma exuberante metrópole arrastada pela enchente ou desfeita pela explosão.

De que tamanho fica o carinho, a ternura e o amor que sentimos por alguém que já se foi? Os alicerces espirituais que sustentam a firmeza e sutileza dos mais puros sentimentos, não se esvaem com a força das águas ou com o calor do fogo, mesmo porque a sublimação do amor se origina do eterno e onipotente DEUS.

Quando um amigo se vai, leva um pouco de tudo, um pouco de nós, das alegrias e tristezas compartilhadas em comum, das satisfações e insatisfações, das longas conversas, dos conselhos, dos planos para o porvir, das confidências acolhidas com respeito e consideração, e ainda leva a responsabilidade de ter-se deixado amar.

O amigo que fica sente-se momentaneamente perdido no plano da existência; Olhando o corpo imóvel que tanto para nós significou, descobrimo-nos como se conhecêssemos a morte pela primeira vez; Ao contemplá-la, a lágrima que não corre implode no curto-circuito da alma que entorpece o cérebro, desacelera o coração e nos coloca no exato tamanho da nossa compreendida incompreensão.

No precioso rol dos escolhidos amigos, todo aquele que se vai reduzindo a nossa cota, implanta no saudoso coração uma incontida e doce saudade que se nos fosse possível materializá-la, transformá-la-íamos em magníficos campos de orquidários.

Amigo Lyra, estas palavras são para você que tão recentemente nos deixou e que certamente no calendário Divino, cumpriu condignamente o ciclo existencial que o Grande Mestre lhe outorgou. Ao romperem-se os laços, a morte da matéria permite ao espírito recuperar a sua liberdade e sua identidade, conservada pelo perispírito, seu corpo etéreo. A eternidade, preclaro amigo, permitirá que se dê continuidade às suas ações que no plano físico formaram um marco que definiram o seu caráter e a legitimidade das suas obras.

Que DEUS e os anjos do Senhor lhe tenham recebido com merecidas honrarias e que do outro lado da vida você encontre nos angelicais acordes, toda a essência e alegria dos harmoniosos ritmos carnavalescos que tanto bem lhe fizeram.

Liana Franca

Delegada de Polícia Civil

Anúncios